Pastor Abílio Santana sofre grave acidente na Bahia


Foto: WhatsApp

O pastor e candidato a deputado federal Abílio Santana, sofreu um grave acidente na tarde do último sábado (15), o acidente aconteceu após o pneu do veículo que ele estava estourar culminando em um grave capotamento no município de Casa Nova Bahia. o pastor cumpria compromisso de campanha quando o grave acidente aconteceu.

A assessoria do pastor Abílio Santana disse que, o estado de saúde do pastor é estável, mas, terá que ser transferido para um outro hospital “devido ao capotamento do veículo ele levou muitas pancadas, ficando muito machucado” pontuou.

Bahia lidera ranking de Estados com mais títulos de eleitores cancelados


Foto: Divulgação

Pelo menos 3,6 milhões de brasileiros formam o grupo de pessoas que não poderão votar nas eleições deste ano porque não fizeram o recadastramento biométrico. Na lista, a Bahia aparece na liderança com um total de 710.636 mil cancelamentos.

O levantamento geral foi feito pelo G1 com base em dados de 862 cidades espalhadas em 17 estados do Brasil. De acordo com a publicação, outras unidades federativas em situação semelhante a da Bahia são o Paraná, com 700.688 mil títulos cancelados e São Paulo, com 375.169 mil. O prazo definido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para os eleitores realizarem a biometria expirou no dia 9 de maio deste ano. Com a eleição em outubro, o cadastro eleitoral será reaberto apenas no dia 5 de novembro.

TSE recusa pedido de Lula para gravar áudios e vídeos para propaganda eleitoral de Haddad


Foto: Reprodução/ EBC

Um pedido do ex-presidente Luíz Inácio Lula da Silva para gravar áudios e vídeos para propaganda eleitoral dentro da prisão, foi rejeitado pelo ministro Sérgio Banhos, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), neste sábado (15).

Em julho, a juíza Carolina Lebbos, responsável pela execução da pena dele na Operação Lava Jato, já havia negado o pedido de Lula para gravar áudios e vídeos na cadeia.

A defesa do ex-presidente Lula solicitou, então, para que o TSE declarasse o direito de Lula de fazer as gravações. Entretanto, o ministro Sérgio Banhos determinou que a decisão não cabe à Justiça Eleitoral, por entender que o assunto tem que ser decidido pelo juízo responsável pela execução da pena do ex-presidente

“Desse modo, o que pretendem os requerentes escapa à competência da Justiça Eleitoral, que estaria se imiscuindo em assunto de competência do Juízo da Execução, responsável pela administração de todas as questões pertinentes ao cumprimento pena”, decidiu Sérgio Banhos.

Bolsonaro recebe alta da UTI e passa a ter cuidados médicos na unidade semi-intensiva


Foto: Reprodução / Twitter

O candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro, internado no Hospital Israelita Albert Einstein após sofrer um atentado a faca no último dia 6, em ato de campanha eleitoral, recebeu neste domingo (16), alta da Unidade de Terapia Intensiva (UTI), segundo o mais recente boletim da equipe médica.

Segundo o parecer, Bolsonaro, que teve de fazer uma segunda cirurgia há alguns dias, passa agora para uma unidade de cuidados semi-intensivos. De acordo com o portal do Estadão, o boletim diz que o candidato “prossegue com boa evolução clínica, sem febre e exames laboratoriais estáveis, recebendo nutrição por via parenteral (endovenosa) exclusiva, medidas de prevenção de trombose venosa e fisioterapia respiratória e motora”. B. Notícias

Em Jequié, militantes de aluguel do PT reclamam de falta de pagamento; veja vídeo


Um vídeo em que supostos militantes comprados pelo Partido dos Trabalhadores (PT) denunciam a falta de pagamento durante ato de campanha do governador e candidato à reeleição Rui Costa, em Jequié, neste sábado (15), está circulando nas redes sociais.

Na filmagem, uma mulher aparece reclamando que foi contratada para trabalhar a partir das 9h da manhã e quando saiu do aeroporto já se passavam das 12h. “A gente está aqui com fome até esse momento para ganhar R$ 20, e até agora não providenciaram nada”, diz ela, que completa falando: “e nós vamos votar no 25 e não mais no 13”, conclui.

Pelo menos outras três pessoas aparecem ao fundo do vídeo com camisas vermelhas, adesivos com estrelas e bandeiras com o nome do candidato Rui Costa e do postulante a vice-governador João Leão, além do número 13. B. Notícia

Adélio Bispo é transferido de Minas Gerais para Mato Grosso do Sul


Adélio Bispo é transferido de Minas Gerais para Mato Grosso do Sul (Foto: Reprodução/GloboNews)

Adélio Bispo, que deu uma facada em Jair Bolsonaro, candidato do PSL à Presidência, deixou Juiz de Fora, Minas Gerais, para Campo Grande por volta das 7h55 deste sábado (8). Ele será levado para um presídio federal. Ele é levado em um avião da Polícia Federal.

A transferência foi determinada pela

 Justiça Federal durante a audiência de custódia, na tarde desta sexta-feira (7).

Adélio Bispo foi preso pela Polícia Militar de Minas Gerais logo após Bolsonaro ser atacado em Juiz de Fora e, segundo a PM, Bispo confessou ser o autor da facada no candidato.

A Polícia Federal abriu um inquérito para investigar o caso e já indiciou Adélio Bispo por “atentado pessoal por inconformismo político”.

Leia mais aqui…

‘Sangue derramado vai unir Brasil e vamos vencer a eleição’, diz vice de Bolsonaro


Foto: Divulgação

O vice na chapa de Jair Bolsonaro (PSL), general Hamilton Mourão, avalia que atentado sofrido pelo presidenciável deve ajudar na sua eleição.

“Nós julgamos que o sangue derramado pelo Bolsonaro vai unir todo o Brasil em torno do nosso projeto e nós vamos vencer a eleição”, afirmou nesta sexta-feira (7) ao desembarcar no Rio de Janeiro.

O general da reserva do Exército deve assumir a agenda de Bolsonaro, que permanecerá hospitalizado pelo menos pelos próximos dez dias após ter sido alvo de uma facada durante ato de campanha.

Ele pediu calma e tranquilidade neste momento e disse que a prioridade é garantir a saúde do candidato.

Questionado sobre se o tom adotado pela campanha será de “guerra”, como disse o presidente do PSL na quinta (6) à Folha de S.Paulo, Mourão minimizou.

“Eu acho que as primeiras declarações são sempre feitas na base da emoção e aí as pessoas acabam dizendo coisas que não deveriam dizer. Existe um velho ditado: as palavras quando elas saem da boca elas não voltam mais. Essa é uma realidade.”

O general disse confiar nas investigações da Polícia Federal, completando que a instituição mostrou sua capacidade na Lava Jato.

“Eu acredito que tenha mais gente envolvida, não é uma coisa isolada. Um grupo ai, não sei se teve conotação política ou não. Pode ser, pode ser que não”, disse.

Mourão permanecerá no Rio nesta sexta, mas viaja no sábado (8) a São Paulo para conversar com Bolsonaro. Ele disse ainda não ter falado com o candidato por se tratar de um momento da família.

Sobre a agenda de campanha, disse que a definição deve ocorrer depois de conversas na capital paulista e em Brasília, no início da próxima semana.

Vídeo mostra Bolsonaro em hospital após cirurgia; assista


Em um vídeo gravado na Santa Casa de Juiz de Fora (MG) e divulgado nas redes sociais na madrugada desta sexta-feira (7) pelo senador Magno Malta (PR), o candidato do PSL à Presidência da República Jair Bolsonaro aparece falando pela primeira vez após o ataque que sofreu nesta quinta-feira (6), em Minas Gerais. Ele diz que nunca fez mal a ninguém e que se preparava para os riscos da campanha eleitoral.

“Até o momento, Deus quis assim. Eu me preparava para um momento como esse porque você corre riscos. Mas, de vez em quando, a gente duvida, né! Será que o ser humano é tão mau assim? Nunca fiz mal a ninguém”

Magno Malta aparece acompanhado dos filhos de Bolsonaro. No início do vídeo, o grupo orou. O candidato do PSL aparece deitado num leito da UTI. Ele está acordado e lúcido, mas a voz é fraca e baixa. O presidenciável deve ficar internado por até uma semana, segundo os médicos, e seu estado de saúde é considerado grave, mas estável.

Bolsonaro agradeceu a Deus, à família, à equipe médica que “impediu que o pior acontecesse”, e falou sobre o momento em que foi esfaqueado. 

“Senti apenas uma pancada na boca do estômago. A dor era insuportável. Parecia que tinha algo mais grave acontecendo”.

Ele falou também sobre a importância da família. “A questão da família tem Deus e depois tem a família, e a família, com todo respeito aos profissionais, é importantíssima porque nesse momento é no que a gente pensa em primeiro lugar. O que nós podemos juntos é fazer e se garantir. Nesse momento em que meus filhos estão aqui, agradeço a vocês que estão aqui, minha esposa que está chegando. Obrigado Brasil. Estamos juntos!”

Bolsonaro lamentou não poder ir nesta quinta ao Rio, para o desfile de 7 de setembro. “Nesse dia, às vésperas do 7 de Setembro, infelizmente não vou poder comparecer amanhã (hoje) à Presidente Vargas, para o desfile do 7 de Setembro. Mas estamos com coração e mente, sempre tendo um Brasil acima de tudo e Deus acima de todos”.

Recuperação

Jair Bolsonaro não deverá receber alta hospitalar antes de “uma semana ou 10 dias”, disse em coletiva de imprensa na noite desta quinta-feira (6) o médico Luiz Henrique Borsato, da Santa Casa de Juiz de Fora, um dos profissionais que operou o candidato.

“Antes de uma semana ou dez dias, ele não vai receber alta”, afirmou o médico. Ele ressaltou que o prazo é uma estimativa e que tudo dependerá de como evoluir a recuperação de Bolsonaro.

O candidato era carregado nos ombros por apoiadores quando um homem se aproximou e o atingiu na barriga. “As lesões internas foram graves e colocaram em risco a vida do paciente”, disse Borsato.

Candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL) é atendido em hospital de Juiz de Fora após ser esfaqueado (Foto: Arquivo pessoal/G1)

Bolsonaro chegou ao hospital por volta das 15h40 perdendo muito sangue por causa do ferimento e foi submetido a uma cirurgia de urgência chamada laparotomia exploradora. No procedimento, o abdômen é aberto para que a cirurgia possa corrigir as lesões.

O procedimento detectou que o intestino grosso foi transfixado pela faca e que houve também três lesões no intestino delgado. A facada atingiu ainda uma veia do abdômen.

“O que houve foi um sangramento na veia abdominal, que logo foi estancado, e lesões nos intestinos grosso e delgado. Foi retirada a parte lesada do intestino grosso, e o intestino delgado foi costurado”, disse Borsato. A lesão no fígado, que chegou a ser uma hipótese, foi descartada.

Cinco cirurgiões e dois anestesistas trabalharam na operação. Durante o procedimento, Bolsonaro precisou receber quatro bolsas de sangue em transfusão. A cirurgia durou cerca de duas horas e terminou por volta das 19h40. Em seguida, Bolsonaro foi levado entubado e sedado para a Unidade de Tratamento Intensivo (UTI).

Segundo o último boletim médico, o político é considerado um paciente grave que está submetido a cuidados intensivos. Na noite desta quinta, ele apresentava quadro estável.

Os médicos fizeram uma colostomia temporária, procedimento que conecta o intestino a uma bolsa fora do corpo, evitando que as fezes passem e possam causar uma infecção no local onde foi tratada a perfuração. Ele deve ser submetido a outra operação futuramente, para reverter a colostomia.

Uma equipe do Hospital Sírio-libanês avalia uma possível transferência de Bolsonaro. Segundo a equipe da Santa Casa, a transferência é uma opção da família, mas neste momento o presidenciável não tem condições de ser levado para outro local.

Um novo boletim médico sobre o estado de saúde de Bolsonaro deve ser divulgado às 10h30 desta sexta-feira (7).

Agressor preso

No momento em que foi esfaqueado, Bolsonaro fazia corpo a corpo com eleitores na região do Parque Halfeld. O suspeito de atacar o candidato foi identificado pela PM como Adélio Bispo de Oliveira, de 40 anos. Ele está preso na delegacia da Polícia Federal em Juiz de Fora, onde confessou o crime.

O advogado de Adélio, Pedro Augusto Lima Possa, disse que seu cliente assumiu a autoria do atentado, e que ele agiu por “motivações religiosas, de cunho político”. “Ele não tinha intenção de matar, em momento algum. Era só de lesionar”, disse Possa. G1

Internação de Bolsonaro deve durar pelo menos uma semana, diz médico


O candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) não deverá receber alta hospitalar antes de “uma semana ou 10 dias”, disse em coletiva de imprensa na noite desta quinta-feira (6) o médico Luiz Henrique Borsato, da Santa Casa de Juiz de Fora. Ele foi um dos cirurgiões que operou o candidato, atingido por uma facada durante ato de campanha nesta tarde na cidade mineira.

“Antes de uma semana ou dez dias, ele não vai receber alta”, afirmou o médico. Ele ressaltou que o prazo é uma estimativa e que tudo dependerá de como evoluir a recuperação de Bolsonaro.

O candidato era carregado nos ombros por apoiadores quando um homem se aproximou e o atingiu na barriga. “As lesões internas foram graves e colocaram em risco a vida do paciente”, disse Borsato.

Bolsonaro chegou ao hospital por volta das 15h40 perdendo muito sangue por causa do ferimento e foi submetido a uma cirurgia de urgência chamada laparotomia exploradora. No procedimento, o abdômen é aberto para que a cirurgia possa corrigir as lesões.

O procedimento detectou que o intestino grosso foi transfixado pela faca e que houve também três lesões no intestino delgado. A facada atingiu ainda uma veia do abdômen.

“O que houve foi um sangramento na veia abdominal, que logo foi estancado, e lesões nos intestinos grosso e delgado. Foi retirada a parte lesada do intestino grosso, e o intestino delgado foi costurado”, disse Borsato. A lesão no fígado, que chegou a ser uma hipótese, foi descartada. Veja completo aqui.

Bolsonaro é esfaqueado em Juiz de Fora. Filhos pedem orações


O candidato do PSL à presidência, Jair Bolsonaro, levou uma facada na região da barriga durante um ato de campanha em Juiz de Fora (MG), por volta de 15h40 desta quinta-feira (6). Um suspeito foi preso.

Segundo um de seus filhos, o deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), o presidenciável “sofreu um atentado” com “uma estocada com faca na região do abdômen”, e passa bem. De acordo com o parlamentar, o ferimento “foi apenas superficial”.

“Peço que intensifiquem as orações por nós!”, escreveu, em postagem no Twitter. Em entrevista por telefone à GloboNews, Flávio Bolsonaro disse que seu pai levou seis pontos na região do abdome.

No momento da confusão, Bolsonaro estava sendo carregado nos ombros por um apoiador de sua campanha, fazendo corpo a corpo com eleitores, na rua Halfeld. Enquanto ele acenava para os simpatizantes de sua candidatura, o homem se aproximou e deu uma facada no presidenciável.

Em nota, a Polícia Federal afirmou que Bolsonaro “contava com a escolta de policiais federais quando foi atingido por uma faca durante um ato público na cidade de Juiz de Fora (MG). O agressor foi preso em flagrante e conduzido para a Delegacia da PF naquele município. Foi instaurado inquérito policial para apurar as circunstâncias do fato.”