O jeito simples de Jair Bolsonaro incomoda a esquerda


Foto: DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO

Bolsonaro bebendo água de coco em um quiosque da Barra da Tijuca.

Bolsonaro lambuzando o pão com leite condensado.

Bolsonaro tomando café da manhã com uma autoridade americana em uma mesa com guardanapo de papel.

Bolsonaro lavando a própria roupa em um tanque.

Bolsonaro fazendo alusão à facada que levou em brincadeira com churrasqueiro militar.

São várias as imagens que bimbalham o jeitão de “gente-como-a-gente” do novo presidente do País. E isso tem causado enorme desconforto entre a esquerda, notadamente, nas hostes petistas, que temem uma conexão maior de Bolsonaro com o eleitor que hoje ainda é refém da figura de “pai dos pobres”, forjada pelo ex-presidente Lula ao longo de anos de assistencialismo funesto e fuleiro.

A perspectiva de que Bolsonaro possa substituir Lula no coração e nas mentes do brasileiro mais humilde causa taquicardia entre as lideranças do PT. Elas sabem que o projeto de poder conduzido pelo partido até aqui não terá mais um segundo de sobrevida caso o ex-presidente perca a hegemonia no diálogo com as camadas mais populares da sociedade. A classe média e os setores mais ricos da sociedade há bastante tempo, por inúmeras razões, abandonaram a canoa petista.

Alguém já disse com propriedade que Jair Bolsonaro é o Lula da direita.

Os dois têm hábitos singelos, comuns à imensa maioria do nosso povo. Os dois, em várias ocasiões, falam uma língua parecida com o português, que, se apoquenta os mais letrados, é puro Camões para os ouvidos dos mais desfavorecidos. Os dois lideram incontestes suas tropas e, principalmente, são os únicos políticos capazes de arrastar multidões para vê-los e ouvi-los.  

Só que um vai passar o Natal na cadeia e o outro está a dias de ocupar o Palácio do Planalto.

Essa diferença faz toda a diferença. R7.

Natal Solidário acontece hoje em Catingal


Acontece hoje o Natal Solidário em Catingal, o evento será realizado pelo Vice-prefeito Silvany Barros, na Praça Paulo Roberto Guimarães as 17:00 horas, com distribuição de brinquedos, pipoca e algodão doce para as crianças.

Após o evento, festa de Natal com a participação das Bandas: Mistura Sertaneja e Clebson Lima & Caio.

Silvany Barros convida toda comunidade para participar do Natal Solidário de Catingal.

Olavo Meira é o novo presidente da Câmara de vereadores de Manoel Vitorino


Foto: Divulgação

Como antes foi articulado pelo grupo político Heleno Vilar, assim foi oficializado na sessão extraordinária, convocada pelo atual presidente da Câmara Uberlândio Meira Barros hoje (20), em Manoel Vitorino. Olavo Meira é o novo presidente da Câmara de vereadores de nosso município. O novo presidente assume o comando da casa de lei a partir de 01 de janeiro de 2019, com a renuncia do prefeito Heleno e a posse do Vice-prefeito Silvany, tanto o Legislativo quanto o Executivo deverão tomar novos rumos.

Heleno Vilar anunciou que vai deixar cargo de prefeito e a política


Foto: Divulgação | Portal Catingal

O Prefeito da cidade de Manoel Vitorino, Heleno Vilar, renunciou ao cargo de prefeito e se despede da política. Heleno confirmou a informação durante pronunciamento na Câmara de Vereadores na manhã desta quinta-feira. Ele disse que no dia primeiro de janeiro de 2019 passará o cargo para seu vice, Silvany Barros. Ao Blog do Jr. Mascote Heleno disse: “foi uma decisão difícil, busquei orientação a Deus e todos estão compreendendo o meu posicionamento, vou dedicar a minha carreira profissional (dentista) e a minha família”, disse. Heleno disse ainda que, está se despedindo da carreira política, que se sente desmotivado e que prefere da a oportunidade para quem tem motivação.

Manoel Vitorino: Quem é ou quem será o prefeito do município?


Foto: Levy Barros

Manoel Vitorino volta a sua remanescente na história política de sua existência. O passado tenebroso volta a assolar os Manoel-vitorinenses mais uma vez, e a pergunta que fica no ar é: Quem é ou quem será o prefeito do município?

É certo que o mandato pertence ao então prefeito Heleno Vilar e que o mesmo não cometeu nenhum crime para se afastar repentinamente da prefeitura. Heleno vinha fazendo um bom trabalho, recebia críticas dos adversários, mas, levando em conta a crise que os municípios estavam atravessando, ele estava no caminho certo.

O que ocorre é, que no último dia 12 de novembro o prefeito Heleno Vilar pediu afastamento de 30 dias, assumindo como prefeito interino o vice-prefeito Silvany Barros, passado os 30 dias, na última quarta-feira (12), o então prefeito Heleno reapareceu na cidade e, de acordo com conversas de internautas nas redes sociais, Heleno disse que a partir de Janeiro o vice-prefeito Silvany deverá assumir oficialmente como prefeito do município de Manoel Vitorino. Nos bastidores da prefeitura, essa conversa já existia a um mês atrás, mas, em entrevista à rádio 95 FM, quando indagado, o vice-prefeito negou e disse que, de fato ele só estaria assumindo o comando do município por 30 dias e que o mandato pertencia a Heleno Vilar.

Conversando com a população dar para perceber o ponto de interrogação no olhar de cada um, principalmente daqueles que estiveram ao lado dos dois durante a campanha. Quando pergunto sobre o futuro, as opiniões se dividem, há aqueles que acreditam que Silvany poderá ser a salvação da lavoura, enquanto outros aguardam ansiosamente a “Volta do Doutor”.

E você, o que acha? Comente aqui!

Médium João de Deus saca R$ 35 milhões de bancos e tem paradeiro desconhecido


João de Deus. (Foto: Walterson Rosa/Folhapress)

A polícia ainda não conseguiu localizar o paradeiro do médium João de Deus, que teve sua prisão decretada após centenas de denúncias de violência sexual de mulheres que buscaram tratamento espiritual na casa Dom Inácio de Loyola, mantido por ele em Abadiânia, Goiás.

Embora seus advogados tenham afirmado que ele se entregaria, as autoridades identificaram movimentações recentes nas contas bancárias que mantinham em seu nome. Na quarta-feira passada (12), logo que surgiram as primeiras denúncias de abuso sexual, foram sacados cerca de R$ 35 milhões de suas aplicações bancárias.

A ordem de prisão contra o médium foi decretada no fim da manhã de sexta-feira. Como não se apresentou dentro do prazo, o Ministério Público o considera “foragido” e seu nome foi incluído na lista da Interpol, para que possa ser preso fora do Brasil assim que seu paradeiro for revelado.

Sua última aparição em público ocorreu na quarta-feira, na casa Dom Inácio de Loyola. Seus advogados irão entrar com um pedido de habeas corpus na segunda-feira. A defesa do religioso classificou a ordem de prisão como “inaceitável”, uma vez que não tiveram acesso ao pedido de prisão do Ministério Público Estadual de Goiás, nem ao inteiro teor do depoimento das vítimas.

A Polícia Civil afirma já ter feito buscas pelo médium em mais de 20 endereços. A força-tarefa que foi montada para investigar as denúncias de abuso sexual envolvendo o nome de João Teixeira de Farias já reuniu mais de 330 relatos em vários Estados do País. Há mulheres que se dizem vítimas que moram em seis países diferentes.

“João de Deus”, como é conhecido, atende cerca de 10 mil pessoas por mês, sendo que aproximadamente 40% são estrangeiras. Os abusos relatados pelas vítimas teriam ocorrido depois do atendimento espiritual oferecido pelo médium. Em muitos casos, ele ameaçava as mulheres dizendo que a doença voltaria ou os espíritos importunariam as vítimas se elas não cedessem. G. Prime

Atirador tinha diário e almoçou em casa antes de ataque à catedral; polícia vai refazer trajeto


Foto: Facebook

A Polícia Civil quer traçar nesta quarta-feira (12) o percurso do atirador Euler Fernando Grandolpho entre a casa dele, em Valinhos (SP), até a Catedral Metropolitana de Campinas (SP), onde matou quatro pessoas e feriu outras quatro antes de cometer suicídio na tarde de terça-feira (11), segundo a Polícia Militar. Os policiais também vão investigar um diário encontrado na casa dele com sinais de que se sentia perseguido.

Os policiais civis disseram à EPTV, afiliada da TV Globo, que Euler Grandolpho almoçou em casa com a família. E cerca de uma hora e quinze minutos depois cometeu os assassinatos logo após o fim da missa das 12h15.

Os policiais querem saber como ele se deslocou da residência da família em um condomínio fechado em Valinhos ao templo católico, já que não tinha carro. Querem descobrir também se o atirador se encontrou com alguém, ou teve algum desentendimento.

“Ainda falta entender o trajeto da casa até a igreja, motivação exata ainda não temos, mas tudo indica que isso decorreu de um surto psicótico, ou seja, uma coisa dessa que se agravou”, disse o delegado José Henrique Ventura, que comanda as investigações pelo Departamento de Polícia Judiciária de São Paulo-Interior 2 (Deinter-2).

Diário e perseguições

De acordo com o delegado, os investigadores descobriram que o atirador fazia uma espécie de diário onde anotava placas de carros e outras informações sobre supostas perseguições a ele.

“Ele tinha um perfil de se sentir perseguido. Chegou a registrar boletins de ocorrência e segundo consta, até em função desse perfil, que poderia vir de uma depressão, ele fez uma consulta no CAPS que é um centro de apoio psicossocial para tratar disso”, afirmou o delegado do Deinter-2.

Depressão e armas

Os familiares confirmaram que o atirador chegou a fazer tratamento para depressão e temiam que ele cometesse suicídio. O pai disse aos policiais desconhecer o fato de o filho ter armas. O atirador estava com duas armas, ambas com numerações raspadas, alvo das investigações nesta quarta-feira.

“A família hora nenhuma desconfiou que ele poderia ter alguma arma, ele nunca falou em arma, nunca foi visto com arma, as vezes quando estava depressivo tinha conversas estranhas, o que fazia com que eles temessem que pudesse cometer um suicidio, mas não essa tragédia”, explicou o delegado Ventura. G1

Bolsonaro quer que Lula seja transferido para prisão do exército


Foto: Divulgação

Informa o Radar, da Veja, que Bolsonaro tem repetido aos mais próximos o desejo de que Lula seja transferido para uma prisão do Exército. O motivo seria o excesso de visitas que o ex-presidente recebe na sede da PF em Curitiba.

Pouco tempo depois da prisão do ex-presidente Lula, em abril deste ano, o Sindicato dos Delegados da Polícia Federal (PF) do Paraná solicitou a transferência do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está cumprindo pena em uma sala na superintendência da corporação, em Curitiba.

Segundo a entidade, a presença de Lula no prédio faz com que agentes cumpram tarefas fora de suas atribuições, torna difícil o atendimento ao público e causa insegurança devido à presença de manifestantes.

“Queremos um Brasil sem aborto”, diz Damares Alves após ser nomeada ministra


Foto: Divulgação

Na primeira entrevista após ser nomeada como futura titular do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves deixou claro que continuará com as lutas que marcaram sua trajetória no Congresso.

Pastora e advogada, ela destacou que está ciente dos desafios, em especial porque a Funai passará a ser sua responsabilidade. “A pasta é muito grande, muito ampla e agora a gente está trazendo para cá a Funai. Nós vamos trazer para o protagonismo políticas públicas que ainda não chegaram até às mulheres, e às mulheres que ainda não foram alcançadas pelas políticas públicas.”

Destacou ainda que o primeiro “direito humano” a ser protegido é o “da vida”. “Nós vamos trabalhar nessa linha. O maior direito humano é o direito à vida […] Eu sou contra o aborto. Nós queremos um Brasil sem aborto! De que forma? Um Brasil que priorize políticas públicas de planejamento familiar, que o aborto nunca seja considerado e visto nessa nação como método anticonceptivo”, destacou. Ela não vê necessidade de mudança na lei atual.

“O aborto apenas nos casos necessários e aqueles previstos em lei. Mesmo nestes, eu tenho certeza que, quando é oferecida à mulher uma outra opção, ela pensa duas vezes. Essa pasta não vai lidar com o tema aborto, essa pasta vai lidar com proteção de vidas, e não de morte. Que fique bem claro isso”, asseverou.

Ela enumerou ainda que o foco não serão apenas as minorias, como tem sido nos últimos anos. “Atenderemos a mulher ribeirinha, a mulher pescadora, a mulher catadora de siri, a quebradora de coco. Essas mulheres que estão anônimas e invisíveis, elas virão para o protagonismo nessa pasta. Na questão da infância, vamos dar uma atenção especial, porque está vindo para a pasta também a Secretaria da Infância, e o objetivo é propor para a Nação um grande impacto pela infância, um pacto de verdade pela infância”, explicou.

Também deixou claro que trará um novo olhar para a questão indígena: “Funai não é problema neste governo, índio não é problema. O presidente estava esperando o melhor lugar para colocar a Funai. E nós entendemos que é o Ministério dos Direitos Humanos, porque índio é gente, e índio precisa ser visto de uma forma como um todo. Índio não é só terra, índio também é gente”.

Assista!

Viagem em jatinho tira pasta de Malta


Foto: Ricardo Botelho/Brazil Photo Press/LatinContent/Getty

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, decidiu cortar da lista de possíveis ministros o senador e candidato derrotado à reeleição Magno Malta (PR-ES) após receber informações de que o aliado fez viagens para aproximar o empresário Eraí Maggi da campanha do PSL e, até mesmo, usar sua proximidade para defender nomes que poderiam compor um eventual governo. Pelos dados recebidos por Bolsonaro, Maggi teria colocado à disposição do senador um jatinho particular para alguns deslocamentos e ainda abriu sua fazenda para encontro com ruralistas.

Em conversas com aliados, Bolsonaro chegou a avaliar também uma entrevista dada pelo cobrador Luiz Alves de Lima, de Vitória, que foi preso e sofreu tortura depois de ser acusado de pedofilia por Malta em 2010. Anos depois, a Justiça absolveu Alves. Na quarta-feira, 5, Bolsonaro disse que o perfil do senador “não se enquadrou” no futuro ministério, mas que ele ainda poderia estar “em outra função”.

Malta não registrou deslocamentos em jatinhos do empresário nas prestações de conta ao TSE. Ele disse ter gasto na campanha R$ 163 mil em veículos, R$ 50 mil em combustível e R$ 273 mil em carros de som. Ao Estado, o senador informou que não participou “da negociação, contratação e pagamento de aeronave”. Segundo a assessoria, a aeronave foi contratada pelo Podemos de Mato Grosso.

A relação de Bolsonaro e Malta era próxima até o resultado do segundo turno das eleições. O senador chegou a receber o convite de Bolsonaro para fazer uma oração de agradecimento pela vitória nas urnas.

A família do presidente eleito, porém, reclamava que Malta não teve sensibilidade ao entrar no quarto em que Bolsonaro estava internado – após ter sido vítima do atentado a facadas – para fazer imagens. Numa das fotos, quem aparece ao lado de Bolsonaro é Maggi, levado pelo senador. Foi quando começou a circular a possibilidade de o deputado e candidato derrotado ao Senado Adilton Sachetti (PRB-MT) assumir a pasta da Agricultura num eventual governo. Próximo a Maggi, Sachetti era um nome negociado por Malta para o ministério sem aval de Bolsonaro. / COLABORARAM TÂNIA MONTEIRO E BRENO PIRES