Bispo diz que ministra é ‘mal-amada’


O bispo de Assis (SP), d. José Benedito Simão, presidente da Comissão
pela Vida da regional Sul 1 (Estado de São Paulo) da Conferência
Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), afirmou ao grupo Estado que a nova
titular da Secretaria de Política para as Mulheres, Eleonora Menicucci,
“é uma pessoa infeliz, mal-amada e irresponsável”. Segundo o religioso,
ela “adotou uma postura contra o povo e em favor da morte” ao defender
em declarações à imprensa a legalização do aborto. “Recebo com muita
indignação as palavras da nova ministra, cuja pasta tem uma grande
responsabilidade em favor da vida da mulher”, disse d. José. O bispo
opinou que a polêmica criada com as falas da ministra pode evoluir para
um confronto entre Igreja e governo e garantiu que acompanhará de perto
os próximos pronunciamentos de Eleonora. “Vamos acompanhar seu trabalho.
Se os discursos forem nessa mesma linha, vamos tomar algumas medidas de
protesto, que podem ser panfletos ou manifesto público”, prometeu.
Informada sobre as críticas feitas pelo religioso, a ministra não quis
se pronunciar.

Prefeitura amplia internet sem fio gratuita no Centro Histórico


A prefeitura de Salvador anunciou que ampliou a cobertura do serviço de
internet gratuita sem fio desde o último dia 10. Por meio da Companhia
de Governança Eletrônica do Salvador (Cogel), o poder municipal já
oferecia o serviço de wireless, mas este estava restrito à Praça
Municipal, Rua Chile e Praça Castro Alves. Agora, também poderá se
conectar gratuitamente, por meio da rede sem fio da prefeitura, quem
estiver na Praça da Sé, Largo do Pelourinho, Largo do Carmo, Santo
Antonio Além do Carmo e Barroquinha. “Já disponibilizávamos esse serviço
na Praça Municipal, desde março de 2010. Agora estamos ampliando-o para
atender todo o Centro Histórico, local de grande fluxo turístico, onde
agora a população e os visitantes poderão se conectar gratuitamente à
internet e navegar de graça com seus smartphones, notebooks, netbooks,
tablets e PCs”, afirmou Nailton Lantyer Filho, presidente da Cogel.

Lula é internado para fazer exames após passar mal


O ex-presidente Lula passou mal e foi internado neste sábado (11) no
Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, informou a colunista Mônica
Bergamo, da Folha. Ele deu entrada na unidade para fazer exames. Lula
não tem se alimentado bem e perdeu aproximadamente nove quilos desde que
começou a radioterapia para tratar um câncer de laringe. Nos últimos
dias, o efeito do tratamento impediu o petista de ir ao seu escritório
no Instituto Lula. Em dezembro, um exame indicou redução de 75% do tumor
em relação ao seu tamanho inicial, de 2,5 centímetros de diâmetro.
Somente no final de março será verificado se o tumor regrediu
totalmente. O prazo é necessário porque, durante as seis semanas, a
radiação continua a atuar no organismo, de forma a atingir seu efeito
máximo.

Homem é morto a tiros dentro de padaria em Águas Claras


Um homem foi morto a tiros na manhã deste sábado (11) no bairro de Águas
Claras, em Salvador. De acordo com informações da 3ª Companhia
Independente da Polícia Militar (CIPM/Cajazeiras), dois homens em uma
moto efetuaram os disparos contra Carlos Augusto dos Santos, de 53 anos.
Ele estava na padaria Panzini, que fica na Rua Presidente Médici. A
vítima chegou a ser levada para o Hospital Eladio Lasserre, mas já
chegou ao local sem vida. O Departamento de Homicídios e Proteção à
Pessoa (DHPP) investiga qual seria a motivação do crime. Ninguém foi
preso até o momento. Informações do Correio.

Homem fica soterrado após desabamento em Simões Filho


O desabamento de parte de um imóvel no Centro Industrial de Aratu (CIA),
em Simões Filho, deixou um homem ferido na tarde deste sábado (11).
Lindivaldo dos Reis Oliveira ficou parcialmente soterrado pelos
escombros e foi socorrida por populares antes da chegada do Corpo de
Bombeiros. Segundo o A Tarde, ainda não se sabe se ele trabalhava na
construção do imóvel, que fica atrás de um hospital na Rua do Vale e do
Caldeirão, ou se apenas passava pelo local quando aconteceu o
desabamento.

Dilma x Evangélicos: Promessas quebradas e conflito crescente


Presidente eleita com apoio de lideranças evangélicas não dá sinais que pretende honrar promessas de campanha:
Não mandar ao Congresso ou sancionar qualquer legislação que impacte a
religião, como legalização do aborto e casamento homossexual.
 Tratar o aborto como questão de saúde pública, atendendo às mulheres que tenham abortado e enfrentem risco de morrer.
 Sancionar o projeto de lei complementar 122 (que criminaliza a
homofobia) apenas nos artigos que não violem a liberdade de crença, de
culto e de expressão e as demais garantias constitucionais individuais.
 Fazer da família o foco principal de seu governo.
 Não promover iniciativas que afrontem a família.
 Fazer leis e programas que tenham a família como foco.
 Defender a convivência entre as diferentes religiões.
 Manter diálogo com as igrejas.
Para quem não lembra, essas são algumas promessas que a presidente Dilma
Rousseff fez ao longo da campanha eleitoral em 2010. Elas estão
relacionadas ao tema “Família e Religião”.
De modo geral, muitas das promessas de campanha ficaram esquecidas e
algumas já foram parcialmente cumpridas. Mas com o lançamento dos
candidatos que irão concorrer a cargos eletivos este ano, parece que os
evangélicos foram envolvidos em vários compromissos que não estão sendo
honrados pela presidente nem pelos seus aliados políticos.
Isso tem causado mal estar de maneira especial entre os políticos
evangélicos de todo o país. O motivo é claro, as contradições são muito
grandes para quem dizia há menos de dois anos atrás que manteria o
diálogo com as igrejas.
O primeiro grande embate foi o chamado “kit gay”, material que seria
distribuído em escolas de todo o país para combater o preconceito contra
os homossexuais. A proposta era  de Fernando Haddad, ex-ministro da
Educação e hoje pré-candidato do PT à prefeitura de São Paulo.
Magno Malta, líder do PR no Senado já anunciou que vai mobilizar os
evangélicos para derrotar Fernando Haddad. “Nós [religiosos] vamos
derrotar o Haddad e qualquer um que acredite em ‘kit gay’ e aborto”,
disse Malta, um dos expoentes da bancada evangélica.
Parte da motivação de Magno Malta é a fala do ministro Gilberto Carvalho
(Secretario-Geral da Presidência) durante o Fórum Social realizado em
Porto Alegre.
Na ocasião, foi divulgado que Carvalho pretende unir o PT e outros
partidos  em uma batalha ideológica contra evangélicos pelo “domínio”
das classes C e D.
Em seu discurso, ele lembrou “Estive na campanha do ex-presidente Lula
buscando apoio do povo evangélico. E também, com a presidenta Dilma, em
intensa maratona, viajei por todo o Brasil reunindo expressivas
lideranças religiosas. Apoio decisivo e importante para a Vitória no
segundo turno”.
Ao mesmo tempo, ressurgiu o debate sobre o aborto, um dos temas que
pautou parte da   disputa de 2010 entre Dilma Rousseff e José Serra.
O motivo é a nomeação de Eleonora Menicucci para ser ministra da
Secretaria de Políticas para as Mulheres. Menicucci é conhecida por
defender a legalização do aborto. Numa de suas primeiras entrevistas
como ministra, ela reafirmou sua posição e chamou o aborto de “problema
de saúde pública”, comparando-o ao combate à dengue e às drogas.
Vários políticos ligados às alas evangélicas e católicas se manifestaram e chegaram a pedir que ela não fosse empossada.
A ministra voltou atrás no dia seguinte, mas o deputado Pastor Marco
Feliciano (PSC-SP) foi para a plenária cobrar publicamente a quebra das
promessas de campanha de Dilma.
Silas Malafaia, que apoiou Serra na eleição, escreveu no Twitter: “O PT
está dando um tiro no pé atacando os evangélicos. Eles vão se ferrar”.
Malafaia tem se manifestado para protestar contra o Projeto de Lei 122,
desarquivado no Senado, em fevereiro de 2011, pela senadora Marta
Suplicy, do PT, com a assinatura de 27 senadores.
O PL 122 criminaliza qualquer ação, opinião ou crítica que venha a ser
interpretada como discriminação ou preconceito quanto ao homossexualismo
no Brasil, com pena de 2 a 4 anos de prisão.
Em suma, as questões principais que afligiram os evangélicos durante as
últimas eleições e que, inclusive, causaram divisões, uma vez que as
principais denominações  escolheram um lado ou outro em 2010, continuam
preocupando.
Dilma prometeu “Fazer leis e programas que tenham a família como foco” e
“Não promover iniciativas que afrontem a família”. Parece que seus
ministros ou não sabem disso ou já esqueceram as promessas de campanha. A
frequência com que os conflitos entre evangélicos e o governo atual tem
entrado em rota de colisão indica que o assunto está longe de terminar e
provavelmente não será pacífico nas discussões das eleições deste ano.
Segundo a Frente Parlamentar Evangélica, nas eleições de 2010, a bancada
cresceu de 46 deputados (9% do total) para 68 deputados (13,2%). Isso
significa um aumento de mais de 50% de uma eleição para a outra. No
Senado, dos 81 senadores, apenas 3 se declaram evangélicos: Walter
Pinheiro (PT-BA), Magno Malta (PR-ES) e Marcelo Crivella (PR-RJ).
Embora não sejam todos do mesmo partido, se fossem reunidos em um só,
seria o terceiro maior do Congresso. Ficariam atrás de PT e PMDB, e
empatados com o número de parlamentares do PSDB.

Minha Esperança, projeto evangelístico de Billy Graham, é transmitido na Espanha e consegue pelo menos 7400 conversões


O programa de TV “Minha Esperança”, organizado pela Fundação Billy Graham, foi transmitido na Espanha e no distrito de Lugo, uma cidade localizada na região noroeste do país, e aproximadamente 7.400 pessoas se converteram após ouvirem a mensagem exibida.
Lugo é uma cidade que é rodeada por muralhas construídas pelo império romano e que permancem intactas até hoje. A Espanha é um país de maioria católica e com uma séria restrição cultural ao protestantismo.
Segundo a organização do “Minha Esperança”, mais de mil igrejas em todo o país receberam treinamento para acolher pessoas após a transmissão do programa. “As igrejas de toda a Espanha voltaram a se entusiasmar com o evangelismo de novo, depois de ver o poder de Deus para mudar vidas”, afirmou o responsável pela coordenação do projeto na cidade de Lugo, segundo informações do Charisma News.
O projeto “Minha Esperança” enfrentou dificuldades de ser realizado na Espanha, pois os canais de televisão abertos não estavam dispostos a alugar um horário de sua programação para transmitir o conteúdo evangélico. Durante a fase de divulgação, o jogador Kaká, que atualmente mora na capital espanhola, onde defende a equipe do Real Madrid, serviu de garoto propaganda. Em um dos comerciais ele convidava os telespectadores para assistirem à programação e conhecer mais sobre sua fé.

Psicóloga cristã Marisa Lobo afirma no Twitter que seu registro profissional pode ser cassado, caso não negue sua fé


O Conselho Federal de Psicologia acatou denúncia contra a psicóloga cristã Marisa Lobo por professar a fé cristã e divulgar isso nas redes sociais, assim como em palestras em que participa.
Segundo informações publicadas pela própria Marisa Lobo em seu Twitter, o Conselho Federal de Psicologia ameaçou cassar seu registro de profissional caso não negue sua fé em Cristo em até 15 dias. Para evitar a cassação, Marisa Lobo também deveria retirar de seus perfis nas mídias sociais toda e qualquer menção à sua fé, ou parar de exercer a profissão.
Marisa Lobo publicou que nunca teve uma reclamação formalizada no Conselho por parte de pacientes dela, e que esse processo contra ela tratava-se de perseguição religiosa. Diversos seguidores da psicóloga em seu perfil, @psicologiacrista manifestaram apoio, com frases de incentivo e indignação pelo ocorrido. Muitos também questionaram se o direito à liberdade de expressão, crença e culto, previstos na Constituição Federal, não se aplicam ao estatuto do Conselho Federal de Psicologia.
Alguns perfis contrários à postura da psicóloga apoiaram a decisão do Conselho Federal de Psicologia, e todas as mensagens contrárias foram retransmitidas por Marisa Lobo aos seus seguidores, e em resposta, afirmou que “tem uns ateus no meu TT, achando que estou morrendo de medo, por poder ser cassada. Nem sabem que é privilégio ser perseguido por Cristo”.
Marisa afirmou que não negará sua fé cristã para evitar a cassação de seu registro no Conselho, e afirmou que sua crença faz parte de sua identidade: “Eu assinei no conselho e declaro, não nego minha fé. Eles me deram 15 dias para tirar tudo que me ligue a minha fé das minhas redes sociais”. Segundo Marisa, ela tem reunião agendada com o senador Magno Malta na próxima semana para discutir ações a serem tomadas contra a medida do Conselho.

Macaulay Culkin aparece esquelético em passeio


Aos 31 anos, o ator Macaulay Culkin surpreendeu os fãs durante um
descontraído passeio em Nova York na tarde de quarta-feira (8).
Em
foto publicada pelo jornal “The Sun”, o eterno Kevin de “Esqueceram de
Mim” apareceu muito magro e envelhecido, e chocou muita gente.
Especulações
sobre o visual do ator não pararam e apontam principalmente para a vida
familiar de Macaulay, que já teve problemas na justiça com os pais,
perdeu uma irmã em um acidente de carro e foi preso por porte de
maconha.
Além disso, ele acaba de se separar de Mila Kunis – a
atriz de “Cisne Negro” – com quem manteve relacionamento por oito
anos.

Bancada evangélica pede a demissão de “ministra abortista”


No
dia em que a ministra Eleonora Menicucci toma posse na Secretaria de
Políticas para as Mulheres é revelado que a bancada evangélica no
Congresso está pedindo sua demissão.
As declarações recentes da ministra em favor do aborto e o discurso de
Gilberto Carvalho, Secretário-Geral da Presidência da República, estão
gerando revolta nos parlamentares evangélicos que compõe a base aliada.
Gilberto Carvalho já emitiu nota, que  foi lida no plenário da Câmara
ontem alegando que foi mal interpretado e pediu uma reunião com os
parlamentares evangélicos. “De maneira alguma ataquei os companheiros
evangélicos. Quem conhece a minha trajetória sabe do carinho que eu
tenho, do reconhecimento que eu tenho ao trabalho das Igrejas
Evangélicas no País. O que eu fiz lá foi uma constatação política que,
de fato, quem tem presença na periferia do Brasil, quem fala para as
classes sobretudo C, D e E são as Igrejas Evangélicas e, portanto, essa
presença tem que ser reconhecida, é real e efetiva”, escreveu o
ministro.
Eduardo Cunha (PMDB-RJ) se pronunciou publicamente no
Twitter,.convocando os evangélicos para combaterem a nova ministra. “Não
se iludam, a bancada de evangélicos se unirá não só para expressar a
repulsa por essas declarações [de Gilberto Carvalho], assim como para
combater a abortista que nomearam ministra”, escreveu.
“Essa posse da abortista amanhã [hoje] é sintomática para todos nós e
devemos mostrar de forma contundente a nossa revolta. Aborto não. Aliás,
quando a gente lê várias declarações dessa nova ministra, ela está no
lugar e na época errada, devia estar em Sodoma e Gomorra”, completou o
deputado.
A ministra Menicucci  declarou assim que foi anunciada pela presidente
Dilma Rousseff, que considera a discussão do aborto no Brasil não uma
questão ideológica, mas sim de saúde pública, como drogas, HIV e todas
as doenças infectocontagiosas.
O líder do PR no Senado, Magno Malta (ES), após chamar Carvalho de
“safado”, sentenciou: “Nós e os católicos vamos derrotar Haddad em São
Paulo”, mandando publicamente um recado para o PT.
Lincoln Portela, líder do PR na Câmara, deu tom semelhante em seu
discurso: “Esse governo fala tanto em discriminação e vem agora um
ministro tomar uma posição de discriminação em relação aos evangélicos,
chamando-os de retrógrados e dizendo que a lei do aborto não é aprovada
por causa dos evangélicos. Não é a lei do aborto, é a lei do assassinato
de crianças indefesas”.
Por outro lado, a deputada evangélica Benedita da Silva (PT-RJ) defendeu
o ministro, afirmando que suas declarações foram “distorcidas”.
Durante a campanha em 2010, a então candidata Dilma Rousseff, garantiu a
líderes evangélicos que, se eleita, não defenderia a legalização do
aborto e nem a regulamentação do casamento entre homossexuais.
Disputas entre os evangélicos e o PT tem sido mais frequentes dede a
proposta envolvendo o “kit anti-homofobia”, criado por Fernando Haddad
quando ainda estava no Ministério da Educação, e a insistência do
governo não arquivar a PL 122.